Anti-inflamatórios naturais

Existe uma demanda crescente para ajudar no tratamento das desordens inflamatórias com a utilização de anti-inflamatórios naturais

O uso de fitoterápicos tem sido recorrente, e existe uma demanda crescente para ajudar no tratamento das desordens inflamatórias com a utilização de anti-inflamatórios naturais. Existe um grande arsenal terapêutico com diversas espécies e estudos evidenciados, que são disponibilizados em menor custo e com menos efeitos adversos.

A sua ação imunoestimuladora sobre os mediadores inflamatórios se dá por efeitos anti-inflamatórios dos diferentes compostos com mecanismos relacionado a interleucinas (ILs), fator nuclear kappa B (NF-κB), prostaglandina E2 (PGE2), ciclooxigenase (COX) e espécies reativas de oxigênio (ROS.

(RIBEIRO et al., 2018; GHASHEMIA et al., 2016)

Os compostos presentes com ação anti-inflamatória estão ligados a flavonóides, polifenólicos, proantocianidinas, alcalóides, terpenóides e esteroides. Sendo assim, são responsáveis ​​pelas atividades anti-inflamatórias dos extratos vegetais. Esses metabólitos secundários atuam em diferentes alvos envolvidos na via inflamatória.

(RIBEIRO et al., 2018; GHASHEMIA et al., 2016)

Os flavonoides estão envolvidos com a resposta inflamatória por meio de seus efeitos antioxidantes, sequestrando os radicais livres que se dão através de espécies reativas ao oxigênio e na quelação de ions metálicos.

Os radicais livres estão ligados à produção de energia, regulação do crescimento celular e sinalização intercelular. Porém, ocorrendo desequilíbrio entre a geração de radicais livres e os mecanismos de defesa do organismo, a quantidade aumentada de radicais livres pode gerar lipídios que por sua vez vão gerar certa agressão nas membranas celulares, proteínas nos tecidos, enzimas e DNA. E, dessa forma, induzindo oxidações, levando a danos à membrana, modificações de proteínas e danos no DNA.

(RIBEIRO et al., 2018)

A atividade anti-inflamatória dos terpenoides está ligada aos triterpenos diterpenos por causa da sua capacidade de inibir a síntese de prostraglandina E2 (PGE2) e óxido nítrico (NO), inibindo ainda IL-2, IFN-g e TNF-α. Os sesquiterpenos estão ligados a inibição da mediadores inflamatórios IL-1 e TNF-α.

(RIBEIRO et al., 2018)

Os alcaloides com propriedades anti-inflamatórias impede a liberação de PGE2 (RIBEIRO et al., 2018). É característico do processo inflamatório dor, rubor (vermelhidão), tumor (inchaço), febre e calor (calor). Os mecanismos moleculares responsáveis ​​pelo desenvolvimento destes sintomas são agora entendidos como resultado de uma maior expressão de um subconjunto de genes que normalmente mantêm a homeostasia fisiológica.

Inúmeras doenças são causadas ou agravadas pela inflamação. Muitos pesquisadores buscam pelos benefícios dos anti-inflamatórios naturais para tentar controlar a inflamação crônica com o mínimo de efeitos adversos.

Anti-inflamatórios naturais

Mediadores solúveis, tais como o óxido nítrico (NO), prostaglandinas (PGs), fator de necrose tumoral-α (TNF-α) e interleucina-1 (IL-1), geralmente desempenham um papel no controle de funções importantes: a regulação da pressão sanguínea, agregação plaquetária e a temperatura corporal. Sob condições inflamatórias patologicamente, no entanto, a produção destas moléculas promovem eventos desde o aumento na infiltração de leucócitos e na permeabilidade vascular até a falha do órgão.

A inibição seletiva destas e de outras atividades inflamatórias continua a ser um objetivo importante para o tratamento eficaz da inflamação.

(D’ACQUISTO et al., 2002; KARIN & BEM-NERIAH, 2000; GHOSH et al.,1998)

Muitas doenças como Alzheimer, diabetes, doenças cardiovasculares, asma, artrite reumatoide, periodontite, câncer e outras são resultantes de processos inflamatórios inapropriados ou excessivos, que se iniciam e se desenvolvem de forma crônica.

(CHAPKINA et al., 2009)

Assim, os processos e eventos provocados pela inflamação são necessários e fazem parte da homeostasia, possuindo muitos benefícios, mas as reações de inflamação também podem ser excessivas e levar a resultados prejudiciais.

Os mediadores inflamatórios invocam sinais de inflamação incluindo acúmulo de leucócitos e extravasamento de plasma por pequenos vasos do tecido inflamado, entre estes mediadores estão os leucotrienos, que constituem uma família formada a partir do ácido araquidônico

(RADMARK et al., 2015)

Segundo Chapkina e colaboradores (2009) a inflamação é caracterizada por ativação e produção de pelo menos quatro classes de compostos ativos:

    • Citocinas inflamatórias;
    • Leucotrienos;
    • Cicloxigenase;
    • Ácido araquidônico;
    • Moléculas de adesão;
    • Outros mediadores inflamatórios.

Citocinas inflamatórias

Citocinas são moléculas proteicas, glicosiladas (ligadas a molécula de açúcar) ou não, que são mediadoras de sinais estimulatórios, modulatórios ou mesmo inibitórios para as diferentes células do sistema imunológico.

Têm função autócrina – agindo na própria célula produtora, parácrina – atuando em células próximas e endócrina – quando sua ação se dá à distância. Atuam em concentrações baixíssimas e sua síntese habitualmente ocorre após a estimulação de antígenos.

(CHAPIKIN et al., 2009; DINARELLO, 2000; RIBEIRO et al., 2018)

Até o momento, existem 18 citocinas com o nome de Interleucina (IL), outras mantem sua descrição biológica original, como o Fator de Necrose Tumoral (TNF).

Algumas citocinas promovem a inflamação (citocinas pró-inflamatórias) IL-1, IL-2, IL-6, IL-7, TNF e IFN-γ, já outras podem se apresentar com ação de supressão em processo de inflamação das pró-inflamatórias (citocinas anti-inflamatórias), as IL-4, IL-10 e IL-13 são citocinas anti-inflamatórias devido a sua capacidade de suprimir genes de citocinas pro-inflamatórias como a IL-1, IL-6, TNF e quimiocinas.

(DINARELLO, 2000)
Mediador inflamatórioFunção
5-LipogêneseResponsável por catalisar a primeira etapa na formação dos leucotrienos, que desempenham um papel essencial em muitas doenças, como a asma e a aterosclerose.
Fosfolipase A2   Enzima fundamental na inflamação, responsável pela liberação do ácido araquidônico a partir dos fosfolípides membranares.
Fator de Necrose Tumoral –alfa (TNF-α)Pode induzir febre, quer diretamente através da estimulação de PGE2 ou indiretamente por indução da libertação de IL-1. TNF-α partilha também uma propriedade inflamatória importante com a IL-6 e IL-11, isto é, a indução da produção de proteínas reagente de fase aguda no fígado.
IL-1Pode desencadear febre, aumentando a prostaglandina E2, estimular a proliferação de células T, além de induzir a libertação de histamina a partir de mastócitos no local da inflamação.
IL-2Atua como um ativador para as células T, células natural killer (NK) e células B. Desempenha um papel crítico na regulação tanto de respostas inflamatórias crônicas celulares e humorais. A ligação de IL-2 em linfócitos T leva à proliferação celular, o aumento da secreção de linfoquina, e também a expressão aumentada de moléculas complexo imunohistocompatibilidade (MHC) classe II.
IL-6Além da estimulação da síntese de proteínas de fase aguda no fígado, a IL-6 atua como um fator de crescimento para as células B maduras e induz maturação final de células produtoras de anticorpos. Foi observada em uma variedade de desordens autoimunes e inflamatórias crónicas, tais como tireoidite, diabetes do tipo I, artrite reumatoide entre outras.
IL-8Pertence a uma família de citocinas quimiotática e são responsáveis ​​para a migração e a ativação de neutrófilos e de outros tipos de células (tais como monócitos, linfócitos, basófilos e eosinófilos) nos locais de inflamação, assim, a IL-8 medeia o recrutamento e a ativação de neutrófilos no tecido inflamado, podendo ser encontrado no fluido sinovial nos indivíduos acometidos por diversas doenças inflamatórias de origem reumáticas. A superexpressão da mesma é presente em doenças inflamatórias crônicas e também no choque séptico.
IL-10Redução da proliferação de células T específicas para antígenos, inibição da produção de IFN-γ induzido por células NK, e a inibição de IL-4 e IFN-γ, induz a expressão de MHC de classe II em monócitos. Uma vez que IL-10 pode ser produzida por células TH2 e inibe a função de produção de citoquinas (tais como IFN-gama), a IL-10 é considerado um fator cross-reguladora das células T e, assim, tem sido referida como anticitocina.
IL-17Produto dos linfócitos T ativados na sua atividades biológica está a estimulação de IL-6 e IL-8.
Fonte: (FEGHALI & WRIGHT, 1997; CABRERIZO et al., 2013; PALOMINO & MARTI, 2015)

Mecanismo de ação dos anti-inflamatórios naturais

O alvo especifico dos agentes anti-inflamatórios é a inibição de enzimas geradoras de eicosanóides, incluindo fosfolipase A2, ciclooxigenases (COXs) e lipoxigenases, levando à redução de prostanoides e leucotrienos, podendo ainda impedir a liberação de histamina, fosfodiesterase, proteínas quinases e ativação de transcriptases.

(RIBEIRO et al., 2018)

Com a instalação de dano tecidual, a resposta inflamatória é desencadeada pela síntese de TNF-α, este é o mediador primário da inflamação. Quando sua presença é em maior quantidade, é induzida a produção de outras citocinas pró-inflamatórias e do sistema oxidativo.

Dessa forma, há a estimulação sintetize de prostaglandina E2 (PGE2), ativação da coagulação, apoptose celular eativação do fator de transcrição nuclear kappa B (NF-κB). Assim, a liberação de outras citocinas pró-inflamatórias é estimulada, além de quimiocinas e proteases e da produção de IL-1 com função semelhante à do TNF, estimulando a ativação da ciclooxigenase-2 (COX-2) e a produção de óxido nítrico, seguida da produção de IL-6, citocina, responsável por promover a síntese protéica de fase aguda pelos hepatócitos.

(RIBEIRO et al., 2018; GHASHEMIA et al., 2016)

Hierarquia

Fonte: (RIBEIRO et al., 2018)

Moléculas envolvidas no processo inflamatório

Os outros mediadores da resposta inflamatória são as várias famílias de mediadores que não se encaixam em uma classe especifica e podem derivar tanto de precursores plasmáticos quanto de células, incluindo produtos de clivagem de precursores, produtos de cascatas de ativação, substâncias pré-formadas, radicais livres de oxigênio e óxido nítrico.

Por exemplo, o fator de ativação plaquetária, histamina, cinina, leucotrienos, ácido araquidônico, moléculas de adesão e Fator Nuclear ĸB (NF-ĸB).

(TIAN et al., 2016)

Cicloxigenase

São enzimas responsáveis pelo desenvolvimento da prostaglandina, as suas isoformas são COX-1, COX-2 e COX-3. São sintetizadas por intermédio do ácido araquidônico, produzido por meio da fosfolipase A2. Os diferentes processos levam a síntese de prostaglandina, tromboxanos e leucotrienos.

(RIBEIRO et al., 2018)

Ácido araquidônico

O ácido araquidônico (AA) é um ácido graxo poli-insaturado essencial do ômega 6, esterificado a fosfolipídios em membranas plasmáticas e nucleares. O ácido araquidônico serve como precursor para os mediadores lipídicos bioativos, chamados de eicosanoides.

E a libertação de AA a partir de fosfolipídios membranares ocorre por estimulação de fatores de crescimento, citocinas ou trauma mecânico. Como exemplo destes eicosanoides temos leucotrienos e prostaglandinas, mediadores importantes envolvidos em numerosos processos homeostáticos e fisiopatológicas.

(YIN et al., 2013; TRIPATHI & ALIZADEH, 2014; GHASHEMIA et al., 2016)

Moléculas de adesão

Moléculas de adesão são uma classe de moléculas presentes na superfície celular ao qual os leucócitos são dependentes para realizar o processo de migração do espaço intravascular para os tecidos (diapedese). As principais famílias dessa classe incluem as selectinas, a superfamília das imunoglobulinas, e as integrinas (INWALD et al., 2001).

Leucotrienos

Existem vários tipos leucotrienos (LT) com funções distintas, por exemplo, os LTB4 são quimiotáticos para diversos leucócitos (como neutrófilos, células dendríticas e células T), enquanto LTC4 conduz o aumento da vasopermeabilidade de capilares venosos. Alguns tipos de leucotrienos também estão implicados na função de células apresentadoras de antígeno (APCs).

(RADMARK et al., 2015)

A enzima 5-lipoxigenase (5LOX) é expressa por vários leucócitos: polimorfonucleares (neutrófilos e eosinófilos), mastócitos, monócitos, macrófagos, células dendríticas e em linfócitos B. Ela é responsável por catalisar a primeira etapa na formação dos leucotrienos, que desempenham um papel crucial em muitas doenças, como a asma e a aterosclerose.  A participação desta enzima na via de desenvolvimento de diferentes tipos de câncer, câncer pancreático, coloretal e leucemia.

(HAFNER et al., 2015; RADMARK et al., 2015; GHASHEMIA et al., 2016)

Fator Nuclear ĸB (NF-ĸB)

Fator Nuclear ĸB (NF-ĸB) é uma família de fatores de transcrição envolvidos com diversos genes, muitos destes ligados a resposta imunoinflamatória, outros ligados a apoptose e também a transformação neoplásica celular.

Com relação a resposta inflamatória ele promove a regulação de genes como os das moléculas de adesão de leucócitos, de enzimas, COX-2 e 5-LO e também a maior parte das citocinas, por exemplo, TNF-α, IL-1, IL-2, IL-6, IL-8 e IL-12. Atualmente NF-ĸB vem sendo relatado como um dos principais reguladores da expressão de genes pró-inflamatórios.

(BLANCO & CONDINO NETO, 2003; D’ACQUISTO et al., 2002; KARIN & BEM-NERIAH, 2000; GHOSH et al., 1998; SUN et al., 2013)

Em células não estimuladas, o NF-kB é sequestrado dentro do citoplasma por uma proteína inibidora de NF-kB (IKB) que mascara o sinal de localização nuclear presentes no interior da sequência de proteína de NF-kB. O tratamento das células com as citocinas pró-inflamatórias, tais como TNF-α e IL-1, ou com os produtos bacterianos, tais como lipopolissacáridos (LPS), conduz à ativação de um complexo específico de IkB-cinase (IKK) que fosforila IkB e, consequentemente, o identifica para ubiquitinação e degradação pelo proteassoma. A degradação de IkB permite, a translocação do NF-kB para o núcleo aonde pode atuar como um fator de transcrição.

(BLANCO & CONDINO NETO, 2003; D’ACQUISTO et al., 2002; KARIN & BEM-NERIAH, 2000; GHOSH et al.,1998; SUN et al., 2013).

Cininas

As cininas representa um grupo de peptídeos biologicamente ativos geradas nos locais de danos nos tecidos, em resposta a um trauma ou infecção, ou durante a maioria dos processos inflamatórios. Seus principais efeitos farmacológicos consistem em contração do músculo liso, relaxamento, vasodilatação, aumento da permeabilidade vascular e a sensibilização de fibras nociceptivas.

As cininas exercem a maior parte dos seus efeitos através da estimulação de dois receptores diferentes acoplados a proteína G, classificados como B 1 e B 2.

(Regoli & Barabe, 1980; MEDEIROS et al., 2007)

Fitoterápicos com ação imunomoduladora e anti-inflamatória natural

 

AtivosDescriçãoMediadores inflamatórios InibidosReferencia
Curcuma longaPrincipal constituinte da C. longa é a curcumina.Vias de sinalização de TLR-4 e de NF-ĸBNEYRINCK et al., 2013; CHONG et al., 2014; GHASHEMIA et al., 2016
Zingiber officinalePossui diferentes ações no organismo.Eleva o TNF α e reduz marcadores proinflamatótios.  GHASHEMIA et al., 2016
Boswellia serrataPrincipal ativo identificado nesta planta é o ácido boswélico.5-lipoxigenase, Reduz liberação de leucotrienos.SAFAYHI et al., 1992; GRUPTA et al., 1997; GHASHEMIA et al., 2016.
Cordia verbenaceaAção antiflamatória está ligada a a presença de α-humuleno e trans-cariofileno em sua composição.Fosfolipase A2, TNF α e IL-1.DE CARVALHO et al., 2004; PASSOS et al., 2007
Ômega 3Contém ácidos graxos do ômega-3(EPA e DHA) e mediadores especializados (protectinas, resolvinas e maresinas).TNF α, IL-1, e IL-6MIYATA et al., 2015  
Rosmarinus officinalePotencial antiflamatório devido a presença do ácido rosmarinicusTNF α, IL-1. Inibe infiltração de neutrófilos e diminui mediadore antiflamatórios.GHASHEMIA et al., 2016.
Uncaria tomentosa (unha de gato)Imunomudulação por supressão de mole´culas envolvidas na ação antiflamatóriaSupresão da síntese de TNF-α., IL-1 e IL-17, prostaglandina E2, COX-1 e COX-2HEITZMAN et al., 2005; DIETRICH et al., 2015; GHASHEMIA et al., 2016.
  Hidroxitirosol (Extrato de oliva)Polifenol da oliva padronizado a no mínimo 3%, com alto potencial antioxidante, exerce efeito antiflamatório e ainda atividade antimicrobiana.TNF-α, IL-1β, IL-6, iNOS e COX-2 além de modular IL-10.  FUCCELLI et al., 2015; HART et al., 2000; JUERGENS et al., 2004; ZHANG et al., 2009; CABRERIZO et al.,2013; PAN et al., 2013.
  DiacereínaAntiflamatório não esteroidal com capacidade antireumatico e antiartrosico.Reduz a síntese de metaloproteinas, prostaglandinas, tromboxanos, IL-1 e leucotrienos.  PAVELKA et al., 2016; FIDELIX et al., 2006.
Quercetina phytosome®Quercetina phytosome®, padronizado a 40% de polifenólicos quercetina, o extrato vegetal ou seus constituintes são ligados a fosfolipídios, permitindo melhor melhor solubilidade e biodisponibilidade da molécula.Modulação de vias de sinalização nos eventos e processos inflamatórios.BAZZUCCHI et al., 2019; SIQUEIRA, 2013; LI et al., 2016; DURANTI et al., 2018; ZHENG et al., 2017; RIVA et al., 2019; CHONDROGIANNI et al., 2010; RICH et al., 2017; LI et al., 2016.
Curcuwin® (Curcuma longa fitossomada)Mínimo de 20% de curcumina, processos biológicos permitiu uma molécula com biodisponibilidade 46 vezes maior em comparação a curcumina padrão.    Modulação de múltiplos alvos moleculares, proteínas de sinalização, proteínas do ciclo celular, citocinas, quimiocinas, enzimas, receptores e moléculas de adesão da superfície celular e inibe Vias de sinalização de TLR-4 e de NF-ĸB.JAMWAL, 2018; JAGER et al., 2014; GUPTA et al., 2013; PURPURA et al., 2017; DAILY et al., 2016; HE et al., 2015; SEDDON et al., 2019; OLIVER et al., 2016.    

Você precisa estar logado para ver este conteúdo. Após análise do cadastro, a Farmácia Artesanal se reserva no direito de não autorizar o acesso ao conteúdo técnico. Conforme a RDC23/2008, art. 36 – Para a divulgação de informações sobre medicamentos manipulados é facultado às farmácias o direito de fornecer, exclusivamente, aos profissionais habilitados a prescrever.

Referências

Na escrita do post fizemos o uso de algumas referencias de literaturas que se encontram neste Referências post.

Gostou desse artigo? Compartilhe nas suas redes sociais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp