fbpx
supressão do apetite

Como controlar a fome e aumentar a saciedade por meio da supressão natural do apetite com a utilização de OEA.

Você já comeu demasiadamente muito sem perceber o porquê? A supressão natural do apetite com a utilização de OEA pode ser uma alternativa promissora afim de auxiliar na redução da compulsão alimentar bem redução de citocinas inflamatórias e do estresse oxidativo.

Pois é, não engolimos apenas a comida, mas também as nossas emoções, são deglutidas junto com os alimentos. Você já se pegou comendo compulsivamente em dias turbulentos, cansativos e ou naqueles dias em que você encontrava ansioso? 

(Adams et al., 2019)

Ingestão alimentar e o emocional para supressão natural do apetite 

De certo diferenças individuais importantes tem que apontado que eventualmente o estado emocional pode ser um grande influenciador na ingestão alimentar. 

Primordialmente, pesquisas apontam que cerca de 30 a 50% das pessoas relatam comer mais durante períodos estressantes. E dessa maneira pode ser aderido hábitos não saudáveis.

Com efeito a ingestão de alimentos com elevado conteúdo energético e altamente palatáveis ​​(gordurosos, doces e de paladar agradável).

Dessa forma o elevado consumo desse tipo de alimento pode contribuir para sobrepeso e obesidade. 

(Bourdier et al., 2020)

 

Fatores ligados a obesidade 

Similarmente vivemos numa era em que, a busca gerenciamento do peso e além disso, comer o quiser bem como qualquer quantidade e não ter ganho de peso é o sonho de muitos. Mas a realidade não é bem dessa forma. 

A obesidade afeta 10% da população mundial. A saber a obesidade é um grande problema de saúde pública mundial ao passo que acima de tudo, resulta numa alta incidência de doenças crônicas, assim como alta relação com desordens inflamatórias e cardiovasculares.

(Payahoo et al., 2018; Tutunchi et al., 2019)

Patologias associadas a obesidade 

A obesidade está comumente associada a outras desordem metabólica como, diabetes, hipertensão arterial, dislipidemia, síndrome metabólica, doença do fígado não alcoólica (NAFLD) como também alguns tipos de câncer.

Afetando dessa maneira algumas condições inflamatórias subsequentes bem como doenças neurodegenerativas, aterosclerose, apoptose celular  assim como alteração no metabolismo de lipídios.

Comumente já conhecido, o controle da inflamação e do estresse oxidativo são parâmetros interessantes em indivíduos obesos. Uma vez que a inflamação é uma condição comumente presente em indivíduos obesos.

(Payahoo et al., 2018)

Mecanismo de ação do OEA na supressão natural do apetite

Decerto não apenas o controle do peso, mas também o equilíbrio da liberação de citocinas inflamatórias e  dessa forma oleoiletanolamida (OEA) pode ser utilizado para aumentar a saciedade e e similarmente a supressão do apetite.   

(Payahoo et al., 2018; Tutunchi et al., 2019)

Oleoiletanolamida (OEA) pode atuar no controle do apetite, da saciedade e da inflamação 

Propriedades de OEA na supressão natural do apetite

Oleoiletanolamida (OEA) é um composto de origem natural sintetizado a partir do ácido oleico, um ácido graxo monoinsaturado, produzido no intestino delgado.

Em síntese, os endocanabinóides (CB1) estimulam o apetite, já as NAEs particularmente, a oleoiletanolamida (OEA) em suma inibe o apetite a nível central quando liberada pelos enterócitos durante o processo de absorção de gorduras.

(Literatura técnica do fornecedor: PHD)

OEA contribui na regulação da ingestão alimentar 

Desempenha papel fundamental em mecanismos cerebrais que regulam a ingestão de alimentos bem como semelhantemente atua no equilíbrio do gasto energético e no metabolismo lipídico.

De acordo com pesquisas a classe de moléculas conhecidas como N-aciletanolaminas (NAEs), são moduladores lipídicos.

Sua ação é independente dos receptores canabinóides tipo 1 (CB1) e desse modo possui efeitos opostos aos canabinóides em relação ao apetite.

(Literatura técnica do fornecedor: PHD; Tutunchi et al., 2019)

Tecidos envolvidos no metabolismo de OEA

Os receptores ativados por proliferadores de peroxissoma (PPAR) são definidos em 3 tipos

  • Alfa (α)
  • Beta (ß) 
  • Gama (σ)

Todavia têm sido estudados e dessa maneira demostrou crescentes evidências não apenas na diferenciação dos adipócitos, como também no metabolismos lipídico e glicêmico, bem como também no controle vascular na supressão natural do apetite com a utilização de OEA.

(Brito et al., 2013)

PPARα atua como regulador central na diferenciação e metabolismo de adipócitos

Ademais o PPARα atua como regulador central na diferenciação e metabolismo de adipócitos, por meio de estímulo no aumento ou diminuição da expressão de diferentes genes bem como na alteração do apetite.

(Brito et al., 2013; Tutunchi et al., 2019)

Decerto OEA se liga aos receptores PPAR-α com alta afinidade e assim atua no controle do apetite por meio do eixo cérebro-intestino por estimular pequenas células do intestino.

Fig.1 Mecanismo de ação de OEA na manutenção e prevenção da obesidade por meio de controle e diferenciação de moléculas envolvidas no metabolismo

Metabolismo de OEA

(Tutunchi et al., 2019)

Principais receptores envolvidos no mecanismos de OEA 

Receptores PPAR-α

A atividade dos receptores ativados por proliferadores de peroxissoma (PPAR) é controlado por ácidos graxos. Todavia por ser um agonista de PPARα.

Supressão do apetite com a utilização de OEA

Inegavelmente, OEA está presente no trato intestinal e desse modo sua concentração parece estar associada proporcionalmente ao nível de saciedade. Por conseguinte sua secreção aumenta quando alimento é ingerido, sugerindo uma ligação entre a OEA e a saciedade promovendo assim Supressão natural do apetite com a utilização de OEA quando ingerido o alimento.

(Piomelli, 2013; Bilbao et al., 2016)

Receptores GPR119

O receptor GPR também conhecido como GPR119, entretanto descobriu-se que OEA é o agonista endógeno de GPR119.

(Brito et al., 2013)

OEA secreta GLP-1 na supressão natural do apetite 

Todavia estes receptores também estão presentes nas células intestinais, com papel importante no aumento da secreção do hormônio intestinal Glucagon-Like Peptide-1 (GLP-1) desempenhando assim, supressão do apetite através do receptor GPR119 e na regulação da motilidade intestinal.

(Piomelli, 2013)

Receptores beta-adrenérgicos

Inegavelmente, os receptores β-adrenérgicos são conhecidos por induzir perda de gordura corporal. A ativação do receptor β3-adrenérgico promove redução na ingestão de alimentos e por conseguinte leva a perda de gordura através da ativação de proteínas de desacoplamento como UCP1.

Perda de gordura corporal por ação termogênica

OEA é conhecido por aumentar os efeitos quando o receptor β3 é ativado. OEA melhora a ação termogênica e os efeitos mitocondriais da ativação do receptor β3-adrenérgico nos tecidos adiposos, na mesma dose que a utilizada para supressão do apetite.

(Piomelli, 2013)

Indicação e benefícios

  • A princípio reduz a ingestão de alimentos
  • Acelerador do metabolismo lipídico e da motilidade intestinal  
  • Todavia induz estado de saciedade e plenitude
  • Ademais possui ação termogênica
  • Supressão do apetite
  • Eventualmente contribui para a perda de peso
  • De acordo com as suas propriedades possui potencial ativador de lipólise
(Igarashi et al., 2015; Payahoo et al., 2018; Tutunchi et al., 2019)

Estudo demonstrou 

Em síntese um estudo duplo cego, randomizado, controlado por placebo com  56 adultos obesos, idade de 18 a 59 anos.

Um grupo recebeu 125mg de oleoiletanolamida 2 vezes ao dia (27 no grupo obeso) e o grupo controle placebo foi utilizado apenas fécula (29 indivíduos) durante 8 semanas.

Através de coleta de sangue foi possível verificar altas concentrações de proteína C reativa. Níveis séricos de IL-6 e TNF-α também foram dosadas.

Resultados do estudo 

  • Reduziu significativamente níveis de marcadores inflamatórios
  • Com efeito exibiu propriedade anti-inflamatória e antioxidante
  • Decerto conseguiu reduzir consideravelmente a oxidação lipídica
  • Semelhantemente o uso de OEA conseguiu prevenir estresse oxidativo bem como melhorar a resposta inflamatória das células endoteliais
  • Igualmente contribuiu na redução da formação da placa aterosclerótica
  • Por conseguinte aumentou a atividade de enzimas antioxidantes

Graf. 1- Resultados dos marcadores da inflamação e estresse oxidativo antes a após uso de OEA e placebo

GRAFICO ESTUDO OEA

(Payahoo et al., 2018)

 

 

Gostou desse artigo? Compartilhe nas suas redes sociais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google