Phloretin - Farmácia Artesanal Inovação - Núcleo de Pesquisa
3840
post-template-default,single,single-post,postid-3840,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,translatepress-pt_BR,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
Inovação contra o fotoenvelhecimento

Phloretin

Compartilhe esse Artigo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Phloretin como antioxidante e sua atuação na prevenção e tratamento do envelhecimento da pele.

Phloretin

Um dos flavonóides mais importantes da maçã, do tomate e do morango é o Phloretin, que desempenha uma potente atividade antioxidante na eliminação de peroxinitrito e inibe a peroxidação lipídica. A comparação com os compostos estruturalmente relacionados ao Phloretin, revelou a presença de um farmacóforo antioxidante, o 2,6-di-hidroxiacetofenona.

A potente atividade antioxidante da 2,6-di-hidroxiacetofenona é feita pela estabilização dos radicais livres via tautomerização, um mecanismo diferente dos relacionados aos flavonoides. No organismo, o seu papel está na atividade antioxidante, anti-inflamatória e antibacteriana (REZK et al., 2002; SHIN et al., 2014; CHEON et al., 2019).

Estrutura do Phloretin

Estrutura química do Phloretin. (CHEON et al., 2019)

A princípio, o Phloretin é metabolizado e convertido por enzimas para formar o phorizin, e ambos apresentam tanto atividade antioxidante quanto anti-inflamatória. Sendo assim estudos mostram que a atividade anti-inflamatória e imunossupressora é devido a diminuição da proliferação de macrófagos, e sua produção de NO (óxido nítrico), bem como pela capacidade de estimular a parada do ciclo celular nas fase G0/G1 destas células (MIGUEL et al., 2011).

Além disso, o Phloretin tem sido estudado como um possível promotor de absorção de fármacos na pele. Ele atenua a inflamação por antagonizar a ação das prostaglandinas, protege a pele de fotodanos induzidos por radiação UV e está sendo estudado como um potencial agente quimioprotetor para o tratamento do câncer de fígado (WU et al., 2009; HUANG et al., 2013; GITZINGER et al., 2009; ORESAJO et al., 2008).

Benefícios e indicação do Phloretin

    • Protege a pele de fotodanos induzidos pela radiação UV;
    • Neutraliza os danos causados à pele pelos radicais livres, prevenindo os sinais do fotoenvelhecimento;
    • Confere luminosidade à pele;
    • Atividade antibacteriana com inibição de Propionibacterium acnes;
    • Estimula a produção de colágeno;
    • Redução de moléculas indutoras de inflamação;
    • Previne a degradação de colágeno e elastina, inibindo as MMPs;
    • Diminui a glicação, linhas de expressão, e aumenta a hidratação da pele.

Estudos

Visto que a radiação UV leva à reações inflamatórias na pele, como eritema, queimadura e outras reações crônicas, incluindo envelhecimento precoce da pele e câncer de pele, foram realizados estudos para avaliar o potencial do Phloretin em proteger a pele de danos induzidos pela radiação. Foi utilizada uma combinação de phloretin, vitamina C e ácido ferúlico em voluntários saudáveis, utilizando biomarcadores de fotodano da pele, para avaliar a atenuação dos efeitos nocivos da radiação UV.

Para tal, 10 voluntários participaram de um estudo e foram divididos para receber a terapia associada ou placebo. Foram feitos testes consecutivos, por 5 dias, para determinação de dose mínima para causar eritema (DME) (ORESAJO et al., 2008).

Dessa forma, já em 24 horas após a exposição de 5X DME de radiação UV, houve um aumento significativo na formação de células danificadas pela radiação, formação de dímero de timina, expressão de metaloproteinase-9 de matrix e expressão de p53. Todas essas mudanças foram atenuadas pela formulação antioxidante.

Estes resultados confirmam o papel protetor da formulação contra os efeitos da radiação UV. O phloretin, além de ser um potente antioxidante, pode estabilizar e aumentar a disponibilidade da aplicação tópica de ácido ferúlico e vitamina C (ORESAJO et al., 2008).

Potencial antioxidante

Estudiosos avaliaram o potencial antioxidante do phloretin e phlorizin e compararam com o alfa-tocoferol (vitamina E) e com o hidroxitolueno butilato (BHT). Os efeitos foram estudados em um sistema de emulsão de óleo/água contendo linolenato de metila (ML), eicosapentaenoato de metile (MEPA) e docosa-hexaenoato de metila (MDHA). Sendo assim, a oxidação foi iniciada pelo gerador de radicais livres 2,2-azobis peroxilo (2-amidinopropano) (AAPH) e no óleo de peixe, onde a oxidação foi iniciada termicamente.

No sistema de emulsão, o phloretin (1 e 5 mM) inibiu completamente a oxidação do ML testadas como evidenciado pelo ensaio do ácido tiobarbitúrico (TBARS). Sob as mesmas condições, phlorizin foi menos eficaz do que o phloretin, mas ainda mais eficaz do que α-tocoferol.

Ambos, phloretin e phlorizin, apresentaram um efeito inibitório contra a oxidação de óleo de peixe induzida por aquecimento a 70 ° C durante 3 horas, quando comparado com o BHT. Estes resultados indicam que a phloretin e phlorizin têm potencial para suprimir a oxidação lipídica em ácidos graxos poli-insaturados (PUFA), o que reafirma seu potencial antioxidante (RUPASINGHE & YASMIN, 2010).

 

Faça o download do arquivo no link abaixo e saiba mais sobre o assunto.

Você precisa estar logado para ver este conteúdo.
Após análise do cadastro, a Farmácia Artesanal se reserva no direito de não autorizar o acesso ao conteúdo técnico.
Conforme a RDC23/2008, art. 36 – Para a divulgação de informações sobre medicamentos manipulados é facultado às farmácias o direito de fornecer, exclusivamente, aos profissionais habilitados a prescrever.

 

Referências 

    1. Gitzinger M, Kemmer C, El-Baba MD, Weber W, Fussenegger M. Controlling transgene expression in subcutaneous implants using a skin lotion containing the apple metabolitephloretin.Proc Natl Acad Sci U S A. 106(26), 10638-43, 2009.
    2. Huang WC, Chang WT, Wu SJ, et al. Phloretin and phlorizin promote lipolysis and inhibit inflammation in mouse 3T3-L1 cells and in macrophage-adipocyteco-cultures. Mol. Nutr. Food Res. 57, 1803-13, 2013.
    3. Miguel S M, Opperman LA, Allen EP, et al. Bioactive antioxidant mixtures promote proliferation and migration on human oral fibroblasts. Archives of oral biology. 56, 812-22, 2011.
    4. Oresajo C, Stephens T, Hino PD, Law RM, et al. Protective effects of a topical antioxidant mixture containing vitamin C, ferulic acid, and phloretin against ultraviolet-induced photodamage in human skin. J Cosmet Dermatol. 7(4), 290-7, 2008.
    5. Rezk MB, Haenen GR, Van Der VWJ, Bast A. The antioxidant activity of phloretin: the disclosure of a new antioxidant pharmacophore in flavonoids.Biochem Biophys Res Commun. 295(1), 9-13, 2002.
    6. Rupasinghe HP, Yasmin A. Inhibition of Oxidation of Aqueous Emulsions of Omega-3 Fatty Acids and Fish Oil by Phloretin and Phloridzin. Molecules. 15(1), 251-57, 2010.
    7. Wu CH, Ho YS, Tsai CY, Wang YJ, Tseng H, Wei PL, Lee CH, Liu RS, Lin SY. In vitro and in vivo study of phloretin-induced apoptosis in human liver cancer cells involving inhibition of type II glucose transporter. Int J Cancer. 124(9), 2210-9, 2009.
    8. Shin, S., Kum, H., Ryu, D., Kim, M., Jung, E., & Park, D.  Protective effects of a new phloretin derivative against UVB-induced damage in skin cell model and human volunteers. International journal of molecular sciences. 15(10), 18919–40, 2014.
    9. Cheon, D., Kim, J., Jeon, D., Shin, H. C., & Kim, Y. Target proteins of phloretin for its anti-inflammatory and antibacterial activities against propionibacterium acnes- nduced skin infection. Molecules (Basel, Switzerland). 24(7), 1319, 2019.

Compartilhe esse Artigo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •