Melatonina - Farmácia Artesanal Inovação - Núcleo de Pesquisa
4817
post-template-default,single,single-post,postid-4817,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,translatepress-pt_BR,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
Melatonina

Melatonina

Compartilhe esse Artigo
  •  
  • 164
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    164
    Shares

A melatonina é um hormônio lipofílico, derivado do triptofano e amplamente distribuída pelo corpo humano.

A melatonina é um hormônio é secretado pela glândula pineal, principalmente durante a noite, agindo como molécula de sinalização, sinalizando ao organismo se é dia ou noite.

A quantidade de melatonina endógena aumenta com o anoitecer, tem um pico máximo na madrugada, reduzindo nas primeiras horas da manhã. Também possui função essencial na sincronização do ciclo circadiano, especialmente, estado de vigília, sono e metabolismo energético para um melhor funcionamento (TAN et al.,2015; EKMEKCIOGLU, 2006). Produção de melatonina Como uma molécula de sinalização, a produção de melatonina também exibe mudanças sazonais. Durante o inverno, o pico noturno de melatonina permanece por um período maior devido as noites mais longas, enquanto que no verão, o pico noturno é menor (TAN et al.,2015).

Outra característica marcante, é sua capacidade antioxidante. Como se trata de um antioxidante natural, sua síntese é induzida em sob o stress oxidativo, tornando-o mais adequado como um antioxidante para proteger os organismos de condições estressantes.

Patologias desencadeadas ou pioradas por radicais livres, como doenças neurodegenerativas são amenizadas pela presença de melatonina e sua ação neuroprotetora (EKMEKCIOGLU, 2006; EMET et al., 2016; TAN et al.,2015).

A melatonina no corpo

A concentração de melatonina também varia de acordo com a idade, recém nascidos não tem a glândula pineal bem desenvolvida e por isso não produzem melatonina, porém, podem adquirir por meio do leite materno, consequentemente, bebes com alimentação a base de leite materno dormem melhor do que os que utilizam leite industrializado.

A produção da melatonina aumenta rapidamente dos 2 aos 4 anos e durante a fase jovem os picos noturnos permanece em uma espécie de platô, mas em seguida começam a cair significativamente. Essa diminuição de melatonina é considerado um fator de risco para várias doenças neurodegenerativa, como o Alzheimer (BUBENIK & KONTUREK, 2011). Gráfico anos

Fonte: BUBENIK & KONTUREK, 2011

Estudos apontaram para benefícios em adultos e crianças com o uso de melatonina de uso oral, foi apontado melhorias na latência, na qualidade e no tempo total de sono em comparação ao placebo (WADE et al., 2007).

No tratamento do espectro de autismo o uso de melatonina mostrou resultados favoráveis no período de duração do sono, no picos iniciais e nos despertares noturnos, tendo ainda melhor desenvolvimento no comportamento durante o período diurno (DAMIANI et al., 2014; MALOW et al., 2012; ROSSIGNOL & FRYE, 2014).

Indicação e benefícios

    • Regula o ritmo circadiano (PANDI-PERUMAL et al.,2008; COMAI & GOBBI, 2014; EMET et al., 2016);
    • Regula o gasto de energético e a massa corporal (EKMEKCIOGLU, 2006);
    • Auxilia na regulação de distúrbios do sono;
    • Diminuição do estresse oxidativo;
    • Melhoria no sono e comportamento do espectro de autismo;
    • Auxilia no desenvolvimento durante a puberdade (PANDI-PERUMAL et al.,2008);
    • Controle da postura e equilíbrio corporal (PANDI-PERUMAL et al.,2008; UZ et al.,2005);
    • Regula a memória, ativando diretamente neurônios do hipocampo (COMAI & GOBBI, 2014);
    • Atividade antidepressiva, ansiolítica e antineofóbica (UZ et al.,2005);
    • Ação neuroprotetora (UZ et al.,2005);
    • Anti-inflamatório, analgésico e Antioxidante (LY et al., 2013; COMAI e GOBBI, 2014);
    • Regula a secreção do hormônio libertador de gonadotrofina e estimula produção de progesterona (DUBOCOVICH et al.,2003);
    • Regula a adaptação da retina para baixas intensidades de luz (EKMEKCIOGLU, 2006);
    • Reduz pressão sanguínea (EKMEKCIOGLU, 2006);
    • Modula os processos de transporte de íons e a motilidade no trato gastrointestinal (EKMEKCIOGLU, 2006).

 

Mecanismo de ação

A melatonina exerce suas atividades por mais de um mecanismo de ação, e dentre eles, o principal é sua capacidade de se ligar a receptores específicos em membranas plasmáticas celulares (MT1 e MT2), essas ligações são capazes por exemplo, de desencadear os efeitos relacionados ao ciclo circadiano (EKMEKCIOGLU, 2006; EMET et al., 2016).

Um outro mecanismo também envolve ligação a receptores, porém, receptores intracelulares, como a calmodulina (proteína que se liga ao cálcio), antagonizando o Ca2+, o que pode levar ao efeito antiproliferativo de células cancerígenas (EKMEKCIOGLU, 2006; EMET et al., 2016).

Faça o download do arquivo no link abaixo e saiba mais sobre o assunto.

Você precisa estar logado para ver este conteúdo. Após análise do cadastro, a Farmácia Artesanal se reserva no direito de não autorizar o acesso ao conteúdo técnico. Conforme a RDC23/2008, art. 36 – Para a divulgação de informações sobre medicamentos manipulados é facultado às farmácias o direito de fornecer, exclusivamente, aos profissionais habilitados a prescrever.

Referências

    1. Bubenik GA1, Konturek SJ. Melatonin and aging: prospects for human treatment. J Physiol Pharmacol. 62(1):13-9 2011.
    2. Comai S, Gobbi G.Unveiling the role of melatonin MT2 receptors in sleep, anxiety and other neuropsychiatric diseases: a novel target in psychopharmacology. J Psychiatry Neurosci. 39(1): 6-21, 2014.
    3. Dubocovich ML, Rivera-Bermudez MA, Gerdin MJ, Masana MI. Molecular pharmacology, regulation and function of mammalian melatonin receptors. Front Biosci. 8:d1093-08, 2003.
    4. Ekmekcioglu C. Melatonin receptors in humans: biological role and clinical relevance. Biomed Pharmacother. 60(3): 97-108, 2006.
    5. Emet M, Ozcan H, Ozel L, Yayla M, Halici Z, Hacimuftuoglu A. A Review of Melatonin, Its Receptors and Drugs. Eurasian J Med. 48(2): 135-41, 2016.
    6. Li D, Smith DG, Hardeland R, Yang MY, Xu HL, Zhang L, Yin HD, Zhu Q. A melatonina genes de receptores em vertebrados. Int J Mol Sci 14 (6): 11208-23, 2013.
    7. Pandi-Perumal SR, Trakht I, Srinivasan V, Spence DW, Maestroni GJ, Zisapel N, Cardinali DP. Physiological effects of melatonin: role of melatonin receptors and signal transduction pathways. Prog Neurobiol. 85(3):335-53, 2008.
    8. Tan DX, Manchester LC, Esteban-Zubero E, Zhou Z, Reiter RJ. Melatonin as a Potent and Inducible Endogenous Antioxidant: Synthesis and Metabolism. Molecules. 20(10): 18886-06, 2015.
    9. Uz TL, Arslan AD, Kurtuncu M, Imbesi M, Akhisaroglu M, Dwivedi Y, Pandey GN, Manev H. The regional and cellular expression profile of the melatonin receptor MT1 in the central dopaminergic system. Brain Res Mol Brain Res.136 (1-2): 45-53, 2005.
    10. Wade, A. G.; Ford, I.; Crawford, G.; McMahon, A. D.; Nir, T.; Laudon, M.; Zisapel, N. Efficacy of prolonged release melatonin in insomnia patients aged 55-80 years: quality of sleep and next-day alertness outcomes. Curr Med Res Opin. (23)10: 2597-05, 2007.
    11. Damiani, J. M.; Sweet, B. V.; Sohoni, P. Melatonin: an option for managing sleep disorders in children with autism spectrum disorder. Am J Health Syst Pharm. (71)2: 95-01, 2014.
    12. Malow, B.; Adkins, K. W.; McGrew, S. G.; Wang, L.; Goldman, S. E.; Fawkes, D.; Burnette, C. Melatonin for sleep in children with autism: A controlled trial examining dose, tolerability, and outcomes. J Autism DevDisord. (42) 1729-37, 2012.
    13. Rossignol, D. A.; Frye, R. E. Melatonin in autism spectrum disorders. CurrClinPharmacol. (9) 4, 326-34, 2014.

Compartilhe esse Artigo
  •  
  • 164
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    164
    Shares