Tratamentos cientificamente aprovados para Melasma

Um estudo comparou os efeitos terapêuticos de 20% de ácido azelaico e creme de hidroquinona a 4% para o tratamento de melasma em vinte e nove mulheres com melasma sendo que, 15 foram tratadas com 4% de hidroquinona creme e 14 foram tratadas com o creme de ácido azeláico por dois meses.  O creme foi aplicado duas vezes ao dia. Um filtro solar de largo espectro foi usado concomitantemente por ambos os grupos. O Índice de Severidade de Melasma Área (MASI) foram determinadas antes do tratamento e em cada seguimento.

Após 2 meses de tratamento os resultados exibiram uma diferença significativa na pontuação do MASI  das pacientes que utilizaram o ácido azelaico em comparação a Hidroquinona o que sugere que o creme de ácido azeláico 20% aplicado duas vezes ao dia pode ser mais eficaz do que a hidroquinona 4% na redução de melasma leve ( FARSHI, 2011).

 

Outro estudo comparou a eficiência e as complicações dos peelings de  Ácido Glicólico 70% e de Tretinoína 1% . Foram analisados 63 pacientes do sexo feminino com melasma bilateral. Um dos lados da face foi tratado com droga A (Ácido Glicólico 70%) e do lado oposto por agente B (Tretinoina 1%) por quatro sessões com intervalos de 2 semanas.  Mudanças na área,  Pontuação de  Melasma e Índice de Severidade (MASI) , desconforto para o paciente e complicações indesejáveis após descascar  foram avaliados e comparados durante o período de pesquisa. Os resultados mostraram que a eficiência do peeling de tretinoina  1% em declínio a pontuação MASI (tratamento de melasma) foi semelhante ao de ácido glicólico 70%, assim como as complicações raras indesejadas por eles. No entanto, o desconforto dos pacientes de acordo com procedimentos conforme expresso por si só, foi significativamente mais baixa com Tretinoína 1% em comparação com Ácido Glicólico 70% ( FAGHIHI, 2011).

 Um estudo clínico mono-cego dividiu  56 mulheres com idades entre 18 e 60 anos, fototipos I a IV, em dois grupos : A) creme contendo complexo despigmentante emblica, licorice e belides 7%, usado duas vezes ao dia; B)creme de hidroquinona 2%, usado à noite.  Concomitantemente, as voluntárias utilizaram um filtro solar FPS 35.O estudo durou 60 dias consecutivos e avaliações médica, das voluntárias (auto-avaliação) e fotográfica foram realizadas quinzenalmente. A conclusão do estudo foi que não houve diferença estatística na melhora do melasma nos dois grupos; o Grupo A apresentou menor incidência de eventos adversos. Logo, o complexo despigmentante emblica, licorice e belides é uma alternativa segura e eficaz na abordagem do melasma ( COSTA et al., 2010).

 A Niacinamida tem propriedades anti-inflamatórias e é capaz de reduzir a transferência de melanossomas. Para avaliar o efeito terapêutico da hidroquinona tópica contra niacinamida , 27 pacientes com melasma foram randomizados para receber, durante oito semanas creme niacinamida 4% de um lado da face, e creme de hidroquinona  4% no outro.  O filtro solar foi aplicado ao longo do período de observação.Todos os pacientes apresentaram melhora  do pigmento com ambos os tratamentos. Medidas colorimétricas não apresentaram diferenças estatísticas entre os dois lados. No entanto, a excelente melhoria foi observada com a niacinamida, em 44% dos pacientes, em comparação com 55% com hidroquinona. A Niacinamida apresentou melhora da elastose na pele lesada pelo sol. Os efeitos colaterais estavam presentes em 18% com niacinamida versus 29% com hidroquinona o que torna o tratamento com niacinamida uma melhor opção ( NAVARRETE et al., 2011).
Este estudo comparou a resposta terapêutica do melasma em mulheres indianas ao ácido glicólico (AG 20-35%) versus ácido tricloroacético (TCA 10-20%) para o peeling químico. Para isso, 40 pacientes do sexo feminino não grávidas com uma área mínima de melasma e índice de gravidade (MASI) de 10 foram recrutados no estudo. Para avaliar o tratamento foi observada a pontuação MASI após 12 semanas que mostrou uma redução de 79%  (26,6-5,6) no grupo AG e redução de 73% no grupo de TCA (29,1-8,2).  No entanto AG foi associado a menos efeitos secundários do que o TCA e tem a vantagem adicional de rejuvenescimento facial( KUMARI, 2010).

O objetivo do estudo foi comparar a eficácia clínica de ácido tricloroacético  20% versus  Solução de Jessner contra a mistura tópica de hidroquinona 2% e ácido kójico.
Quarenta e cinco pacientes com melasma foram divididos aleatoriamente em três grupos de 15 pacientes cada. O Grupo A recebeu  solução de Jessner, o  grupo B recebeu  ácido tricloroacético a 20% , e o grupo C recebeu hidroquinona tópica a 2% e ácido kójico. Todos os pacientes foram atendidos no período de acompanhamento, após 16 semanas, avaliação clínica usando Área Melasma e Índice de Severidade (MASI) pontuação e fotografia foram registrados antes e depois do tratamento e após 16 semanas.
Ácido tricloroacético a 20% mostrou resultados melhores do que a solução de Jessner, como agente de descamação e hidroquinona 2% com ácido kójico como um agente tópico para o tratamento de melasma ( AZZAM, 2009).

 Pesquisadores do Departamento de Dermatologia e Farmácia da Universidade EGE, analisaram formulações preparadas (gel) com extratos vegetais  que contém ácido elágico,  ácido elágico sintético e arbutin. E a conclusão foi de o gel com extratos vegetais rico em ácido elágico teve eficácia similar às formulações que contêm ácido elágico sintético e arbutin ( ERTAM, 2008).

Segundo um estudo realizado em mulheres com melasma, realizado por pesquisadores chineses, a administração oral de 25 mg de Pycnogenol, 3 vezes ao dia, durante 30 dias, reduziu a intensidade da pigmentação e a área de melasma ( NIZ et al., 2002).

 

 

 

O Ácido tranexâmico é um agente antifibrinolítico, que atua por um mecanismo competitivo que inibe a proteína ativadora do plasminogênio, impede a formação da plasmina, proteína responsável pela lise da fibrina, componente essencial do coágulo.  A plasmina é a principal proteína responsável pela dissolução do coágulo sanguíneo.O Ácido tranexâmico promove uma estabilidade do coágulo, e mostra-se eficaz no tratamento dos episódios hemorrágicos.

Algumas situações necessitam de atenção especial do profissional, entre elas as hemofilias, doença de von Willebrand , pacientes que fazem uso de fármacos antiplaquetários, portadores de diabetes e pacientes geriátricos.

Um estudo-clínico recente investigou a ação do Ácido tranexâmico em cultura de melanócitos humano com queratinócitos condicionados ou não.O Ácido tranexâmico mostrou uma redução da atividade da tirosinase, enzima chave da síntese de melanina, somente em presença de queratinócitos condicionados.Estes resultados indicam que o Ácido tranexâmico inibe a síntese de melanina não pela atuação direta nos melanócitos, mas através da inibição dos ativadores dos melanócitos contidos na cultura de queratinócitos condicionados.A inibição do ativador do plasminogênio, tipo-uroquinase (Upa )  em cultura com queratinócitos condicionados e com anti anticorpo especifico anti-Upa  mostrou um aumento da atividade da tirosinase e inibição de mudanças morfológicas de melanócitos (MAEDA,2007).

Diminuição da pigmentação da epiderme associada com melasma e também inverteu o melasma dérmico mudanças relacionadas ( NA et al., 2012).

 

 

REFERÊNCIAS BiBLIOGRÁFICAS:

 

1- Azzam OA, Leheta TM, Nagui NA, Shaarawy E, Hay RM, Hilal RF. Different therapeutic modalities for treatment of melasma. J Cosmet Dermatol. 2009 Dec;8(4):275-81.

2-Costa A, Moisés TA, Cordero T, Alves CRT, Marmirori J Associação de emblica, licorice e belides como alternativa à hidroquinona no tratamento clínico do melasma. An Bras Dermatol. 2010;85(5):613-20.

3-Ertam I, Mutlu B, Unal I, Alper S, Kivçak B, Ozer O. Efficiency of ellagic acid and arbutin in melasma: a randomized, prospective, open-label study. J Dermatol.2008 Sep;35(9):570-4.

4-Faghihi G, Shahingohar A, Siadat AH. Comparison between 1% tretinoin peeling versus 70% glycolic acid peeling in the treatment of female patients with melasma. J Drugs Dermatol. 2011 Dec;10(12):1439-42

5- Farshi S. Comparative study of therapeutic effects of 20% azelaic acid and hydroquinone 4% cream in the treatment of melasma.J Cosmet Dermatol. 2011 Dec;10(4):282-7. doi: 10.1111/j.1473-2165.2011.00580.x.

6-Kumari R, Thappa DM. Comparative study of trichloroacetic acid versus glycolic acid chemical peels in the treatment of melasma.Indian J Dermatol Venereol Leprol.2010 Jul-Aug;76(4):447.

7.  Maeda K, Tomita Y. Mechanism of the Inhibitory Effect of Tranexamic Acid on Melanogenesis in Cultured Human Melanocytes in the Presence of Keratinocyte-conditioned Medium. Journal of Health Science, 2007; 53(4): 389-396.

8-Navarrete-Solís J, Castanedo-Cázares JP, Torres-Álvarez B, Oros-Ovalle C, Fuentes-Ahumada C, González FJ, Martínez-Ramírez JD, Moncada B. A Double-Blind, Randomized Clinical Trial of Niacinamide 4% versus Hydroquinone 4% in the Treatment of Melasma. Dermatol Res Pract. 2011;2011:379173. Epub 2011 Jul 21
9-Ni Z, Mu Y, Gulati O. Treatment of melasma with Pycnogenol. Phytother Res. 2002 Sep;16(6):567-71.
10-Na JI, Choi SY, Yang SH, Choi HR, Kang HY, Park KC.Effect of tranexamic acid on melasma: a clinical trial with histological evaluation. J Eur Acad Dermatol Venereol. Feb,2012.

Veja outros artigos

Telemedicina
Médicos

Telemedicina

Conforme o cenário atual, no enfrentamento da infecção por Covid-19, a telemedicina torna-se uma ferramenta primordial para a assistência médica ainda que por intermédio de

Deixe um comentário