Portrait woman hand gesture heart shape on belly, girl wearing sport clothing with exercising isolated on white background.

A suplementação com enzimas digestivas pode ser uma alternativa considerável na melhora da digestão e absorção de nutrientes.

O que são as enzimas digestivas?

São proteínas de ocorrência natural que tem por finalidade acelerar inúmeras reações bioquímicas que ocorrem no organismo. Normalmente, as enzimas digestivas estão envolvidas não apenas com o processo de digestão como também na função enzimática.

(Ianiro el., 2016; Silverthorn, 2017)

Função das enzimas digestivas

As enzimas digestivas encontram-se em abundância  no trato gastrointestinal e são as responsáveis pela quebra de macronutrientes obtidos da alimentação e conforme  suas propriedades permitem a quebra de carboidratos em monossacarídeos, lipídios em ácidos graxos e proteínas em aminoácidos.

(Ianiro el., 2016)

Como as enzimas digestivas atuam?

De certo atuam na quebra das ligações químicas das macromoléculas através de reações de hidrólise em sítios ativos e similarmente cada enzima apresenta especificidade para substratos de forma que, para que ocorra a digestão de nutrientes complexos, várias enzimas podem ser necessárias.

Graf. 1- Níveis de energia X tempo no funcionamento das enzimas digestivas

funcionalidade das enzimas

Surpreendentemente, a presença de enzimas pode ser de extrema relevância na energia de ativação necessária e dessa forma o tempo da reação é reduzido.

(Ianiro el., 2016; Silverthorn, 2017)

Fatores consideráveis na atividade das enzimas

Temperatura – De conformidade com à temperatura a que uma substancia é exposta durante o cozimento, por exemplo, pode levar a alterações na estrutura enzimática e desse modo dificultar a ligação da enzima ao seu substrato.

pH – De certo o pH do TGI, pode estar alterado em algumas doenças crônicas e isso todavia pode também comprometer o processo digestivo.

Os valores de pH são condicionados por diferentes fatores, como por exemplo, uso de medicamentos, álcool, alimentos processados e bem como o processo de envelhecimento que de certa forma provoca alterações no metabolismo como também na digestão.

O pH ideal encontra-se em 3, em contrapartida acima de 3 a 5  já é tido como alteração (hipocloridria ) e ultrapassando 5 é provável acloridria.

Escala de valor de pH em faixa variada

hipocloridria a acloridria

Hipocloridria/Acloridria

Por causa de alterações nos níveis de HCL ocorre também mudanças no pH estomacal e dessa maneira interfere na absorção e digestão de nutrientes. Como é o caso da pepsina que é ativada em pH ácido (1 a 6).

Hipocloridria X Hipercloridria

A redução da produção de ácido clorídrico (HCL) devido a processos tanto fisiológicos quanto patológicos. Semelhantemente, a elevada produção de ácido clorídrico também pode ser um interferente podendo acontecer por disfunções como o refluxo gastroesofágico ou mesmo pelo uso de medicamentos.

Revestimento entérico ou não?

De maneira idêntica a necessidade de revestimento ou não entretanto vai depender das características e necessidades específicas de cada enzima.

(Heda et al., 2020; Robinson, 2015; Ianiro et al., 2016; Konstan et al., 2013; Silverthorn, 2017; Guilliams; Drake, 2020; Keller; Layer, 2014)

Benefícios da suplementação com enzimas digestivas

  • Manutenção adequada da absorção intestinal
  • Melhora desordens ligadas a absorção de nutrientes (doença de Crhon, fibrose cística)
  • Suporte na intolerância a lactose e doença celíaca
  • Envolvidas na quebra de carboidratos, lipídios e proteínas
  • Controle da secreção de ácido clorídrico
  • Reduz desconforto digestivo

(Majeed et al., 2018; Chumpitazi, 2018; Ianiro et al., 2016)

Indicação terapêutica

  • Por certo pode atuar no controle da absorção intestinal de nutrientes
  • Melhora da dispepsia funcional
  • Deficiência ou capacidade reduzida das enzimas pancreáticas
  • Portadores de fibrose cística, insuficiência pancréatica e/ou esteatorreia
  • Coadjuvante no tratamento da intolerância a lactose
  • Controle da secreção de ácido clorídrico (HCL)

(Chumpitazi, 2018; Ianiro et al., 2016)

Opções suplementares de enzimas digestivas

Opções terapêuticas coadjuvantes para associação as enzimas digestivas


Você precisa estar logado para ver este conteúdo.
Após análise do cadastro, a Farmácia Artesanal se reserva no direito de não autorizar o acesso ao conteúdo técnico.
Conforme a RDC23/2008, art. 36 – Para a divulgação de informações sobre medicamentos manipulados é facultado às farmácias o direito de fornecer, exclusivamente, aos profissionais habilitados a prescrever.

Referências

Arnold, J. W., Simpson, J. B., Roach, J., Bruno-Barcena, J. M., & Azcarate-Peril, M. A. (2018). Prebiotics for Lactose Intolerance: Variability in Galacto-Oligosaccharide Utilization by Intestinal Lactobacillus rhamnosus. Nutrients, 10(10), 1517.  Chumpitazi B. P. (2018). Update
on Dietary Management of Childhood Functional Abdominal Pain Disorders. Gastroenterology clinics of North America, 47(4), 715-26.  Heda R, Toro F, Tombazzi CR. Physiology, Pepsin. [Updated 2020 May 24]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls.
Hunt, R. H., Camilleri, M., Crowe, S. E., El-Omar, E. M., Fox, J. G., Kuipers, E. J., Malfertheiner, P., McColl, K. E., Pritchard, D. M., Rugge, M., Sonnenberg, A., Sugano, K., & Tack, J. (2015). The stomach in health and disease. Gut, 64(10), 1650-68.  Ianiro, G., Pecere, S., Giorgio, V.,
Gasbarrini, A., & Cammarota, G. (2016). Digestive Enzyme Supplementation in Gastrointestinal Diseases. Current drug metabolism, 17(2), 187-93.  Konstan, M. W., Accurso, F. J., Nasr, S. Z., Ahrens, R. C., & Graff, G. R. (2013). Efficacy and safety of a unique enteric-coated
bicarbonate-buffered pancreatic enzyme replacement therapy in children and adults with cystic fibrosis. Clinical investigation, 3(8), 723-29.  Madisch, A., Andresen, V., Enck, P., Labenz, J., Frieling, T., & Schemann, M. (2018). The Diagnosis and Treatment of Functional
Dyspepsia. Deutsches Arzteblatt international, 115(13), 222-32.  Majeed, M., Majeed, S., Nagabhushanam, K., Arumugam, S., Pande, A., Paschapur, M., & Ali, F. (2018). Evaluation of the Safety and Efficacy of a Multienzyme Complex in Patients with Functional Dyspepsia: A
Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Study. Journal of medicinal food, 21(11), 1120-28.  Mössner, J., & Keim, V. (2010). Pancreatic enzyme therapy. Deutsches Arzteblatt international, 108(34-35), 578–82.  Robinson P. K. (2015). Enzymes: principles and
biotechnological applications. Essays in biochemistry, 59, 1-41.  Syngai, G. G., Gopi, R., Bharali, R., Dey, S., Lakshmanan, G. M., & Ahmed, G. (2016). Probiotics – the versatile functional food ingredients. Journal of food science and technology, 53(2), 921-33. Talley, N. J., &
Ford, A. C. (2015). Functional Dyspepsia. New England Journal of Medicine, 373(19), 1853-63.

Gostou desse artigo? Compartilhe nas suas redes sociais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp