Curcuma longa - Farmácia Artesanal Inovação - Núcleo de Pesquisa
4635
post-template-default,single,single-post,postid-4635,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,translatepress-pt_BR,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
Curcuma longa

Curcuma longa

Compartilhe esse Artigo
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share

A Curcuma é uma especiaria amplamente utilizada como corante e aromatizante que vem da raiz da Curcuma longa.

Está presente na lista de substancias GRAS (Generally Recognized as Safe), da FDA (Food and Drug Administration). A Curcuma tem sido utilizada para várias condições medicinais incluindo a rinite, a cicatrização de feridas, resfriado comum e infecções da pele, de fígado e doenças do trato urinário. O extrato seco de rizoma de Curcuma longa possui padronizado com mínimo de 95 % de curcuminóides (AGGARWAL et al., 2004; CHAINANI-WU, 2003; AKHTAR et al., 2012).

O principal constituinte de Curcuma longa é a curcumina (diferuloylmethane) que constitui até 90% do total do conteúdo de curcuminóides. Suas propriedades  são:

    • Anti-inflamatório natural;
    • Capacidade de redução de hiperlipidemia;
    • Ação hipoglicemiante;
    • Efeito citotóxico nas células tumorais;
    • Atividade antibacteriana;
    • Protetor das células do fígado;
    • Efeitos imunomoduladores;
    • Reguladores sobre os mediadores inflamatórios;
    • Ação sobre a pele, principalmente quanto a cicatrização.

Ações diversas

Sua ação também é apontada sobre a artrite reumatoide devido a ação anti-inflamatória. Além disso, a Cúrcuma longa possui efeitos sobre a depressão maior, redução da ansiedade em indivíduos obesos e ainda diminuiu os sintomas na síndrome pré menstrual (SOLEIMANI et al., 2018; PETERSON et al., 2018; VAMANU et al., 2019). Curcuma longa plantas

A) Partes aéreas de C. longa – B) Tubérculo de C. longa – C) Pó de C. longa

Vários estudos in vitro demonstraram que a curcumina pode melhorar o padrão de marcadores de inflamação e doenças metabólicas relacionadas com a obesidade. O uso de cúrcuma se mostrou seguro e com boa tolerância nos estudos realizados.

Além disso, a curcumina não é mutagênica e não genotoxico, sendo benéfico também na proteção do organismo e na indução de apoptose que é a morte celular programada regulada por vias de sinalização endógenas. Sendo seu uso também seguro em gestantes (SOLEIMANI et al., 2018).

Mecanismo de ação

A curcumina inibe a ativação das vias de sinalização de TLR-4 e de NF-ĸB pró-inflamatórios em diversos tipos de células incluindo macrófagos e adipócitos humanos. Também por inibir NF- ĸB a curcumina tem sido relatada ser capaz de atenuar a inflamação alérgica das vias respiratórias em ratos (NEYRINCK et al., 2013; CHONG et al., 2014). Processo de ação

Efeito da curcumina na rede intracelular implicado na sinalização da inflamação. As setas indicam ativação/indução e as linhas com barra inibição/inativação (SUN et al., 2013)

Vários estudos com modelos in vivo demonstram fármacos dirigidos a atividade de NF-ĸB podem produzir tratamentos farmacologicamente relevantes e terapeuticamente valiosas para uma gama de doenças e condições em que a inflamação desempenha um papel crítico (D’ACQUISTO et al., 2002). Desenho do corpo humano

Doenças que foram efetivamente tratados pelos inibidores de NF-kB em modelos animais (D’ACQUISTO et al., 2002)

Indicação e benefícios

    • Coadjuvante para tratamento da artrite reumatoide;
    • Tratar distúrbios da inflamação;
    • Supressão de mediadores inflamatórios;
    • Quimioproteção;
    • Ação antioxidante;
    • Ajuda a diminuir os níveis de triglicérides;
    • Atuante na cicatrização;
    • Antiagregante plaquetário;
    • Antiespasmódico e hepatoprotetor;
    • Prevenção de síndrome metabólica.

Estudos

    • Estudo I

Um estudo avaliou a variação de espécies bacterianas no tecido intestinal, foram avaliados 30 pacientes adultos, idade de 19 a 58 anos fizeram uso de Cúrcuma longa foram dividios em três grupos de 10, sendo 10 alocados no grupo placebo, 10 em uso de Curcuma longa e 10 em uso de curcumina (tumeric), eles foram avaliados no inicio do estudos, 4 e 8 semanas depois, a analise foi feita por meio de fezes.

Resultados

    1. Houve quantidade aumentada de espécies bacterianas em todos os grupos, porém após o uso de longa e curcumina teve aumento em cerca de 2 a 100 vezes, as avaliações foram feitas pré e pós a ingestão da C. longa;
    2. O grupo placebo apresentou uma redução geral no número de espécies em 15% (175 iniciais versus 149 pós-tratamento médio);
    3. As respostas quanto a espécies foi de forma individualizada, porém pode-se obeservar elevação no numero de espécies em cada individuo, sugerindo efeitos da suplementação com os ativos sobre esse crescimento;
    4. Nenhum paciente relatou presença de efeitos adversos.

    • Estudo II

Ratos foram divididos em grupos e alimentados com uma dieta controle (CT), uma dieta rica em gorduras (HF) e dieta de conteúdo gorduroso associado ao extrato de Curcuma longa (0,1% de curcumina na dieta HF) associada com a pimenta branca (0,01%) durante quatro semanas.

Resultado

Apontam que doses nutricionais de Curcuma longa, associadas a pimenta branca, são capazes de diminuir a expressão citocinas inflamatórias no tecido adiposo, e este efeito pode ser ligado a um efeito direto de metabolitos bioativos que atingem o tecido adiposo, do que a partir de alterações na gut composição da microbiota.

    • Estudo III

Um estudo randomizado duplo cego controlado por placebo foi realizado com 80 pessoas diagnosticadas com câncer. Um grupo de 40 pessoas recebeu 180mg/dia de Curcuma longa, o outro grupo também com 40 pessoas recebeu placebo. Eles foram acompanhados durante 8 semanas para avaliar a interferência de mediadores inflamatórios.

Foram avaliados os níveis séricos de vários mediadores implicados na inflamação sistêmica, incluindo interleucinas 6 (IL-6) e 8 (IL 8), o TNF-α, fator de crescimento transformador-β (TGF-p), peptídeo da proteína C-reativa (hs-PCR), substância P e proteína quimiotáctica de monócitos-1 (MCP-1).

Resultado

Foi percebida significativa melhora com redução em TNF-α (p <0,001), TGF-p (p <0,001), IL-6 (p = 0,061), substância P (P = 0,005), hs-CRP (p <0,001), e MCP-1 (p <0,001) melhores resultados no uso de curcuminóides comparado ao grupo de placebo.

    • Estudo IV

Curiosamente, a suplementação com curcuminoides melhorou a qualidade de vida dos pacientes por taxas dramáticas. Além disso, a referida melhora foi acompanhada por um efeito de redução nos níveis circulantes de vários mediadores inflamatórios. Este foi um estudo simples cego, randomizado, controlado por placebo.

Total de 120 pacientes (37 do sexo masculino e 83 do sexo feminino) com osteoartrite primaria no joelho. Esses pacientes receberam placebo (400 mg duas vezes por dia), Curcuma longa (500 mg duas vezes por dia) ou sulfato de glucosamina (GS) (750 mg duas vezes por dia), isoladamente ou em combinação durante 42 dias.

A eficácia foi avaliada durante o período de tratamento, no dia 21 e o dia final do tratamento dia 42. Resultado O exame clínico da articulação afetada foi medido por um especialista ortopédico e usando uma escala Clínica Global de mudança de impressão (CGIC). A análise dos escores pós-tratamento após a administração de cúrcuma longa mostrou diminuição significativa (p <0,05) em comparação com placebo.

O grupo tratado mostrou uma diminuição no uso de medicação de resgate (significativo p <0,01), juntamente com melhora clínica e subjetiva em comparação com placebo. O estudo demonstra a segurança e eficácia da C. longa como uma opção de tratamento útil para pacientes com osteoartrite do joelho primária.

Referências

    1. Aguilar JL, Rojas P, Marcelo A, Plaza A, Bauer R, Reininger E, Klaas CA, Merfort I. Anti-inflammatory activity of two different extracts of Uncaria tomentosa (Rubiaceae). J Ethnopharmacol. 81(2): 271-6, 2002.
    2. Allen-Hall L, Arnason JT, Cano P, Lafrenie RM. Uncaria tomentosa acts as a potent TNF-alpha inhibitor through NF-kappaB. J Ethnopharmacol. 127(3): 685-93, 2010.
    3. Aquino R, De Feo V, De Simone F, Pizza C, Cirino G. Plant metabolites. New compounds and anti-inflammatory activity of Uncaria tomentosa. J Nat Prod. 54:453– 59, 1991.
    4. Avni G. Desai, Ghulam N. Qazi, Ramesh K. Ganju, Mahmoud El-Tamer, Jaswant Singh, Ajit K. Saxena, Yashbir S. Bedi, Subhash C. Taneja, and Hari K. Bhat. Medicinal Plants and Cancer Chemoprevention.
    5. Blanco M. L., Condino Neto, Antônio. O Fator Nuclear Kappa B: Uma nova perspectiva para o estudo de drogas anti-inflamatórias. Rev. Ciênc. Med., Campinas 12(4): 341-49, 2003.
    6. Cameron Melainie and Sigrun Chrubasik. Oral herbal therapies for treating osteoarthritis. Cochrane Database Syst Rev. 5: CD002947, 2014.
    7. Chapkin, R S B., Wooki, K B., Joanne, R., Luptona, B., David N. M. Dietary docosahexaenoic and eicosapentaenoic acid: Emerging mediators of inflammation. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids. 81(2-3): 187–91, 2009.
    8. Chong L, Zhang W, Nie Y, Yu G, Liu L, Lin L, Wen S, Zhu L, Li C. Protective effect of curcumin on acute airway inflammation of allergic asthma in mice through Notch1-GATA3 signaling pathway. 37(5):1476-85, 2014.
    9. D’Acquisto Fulvio, Michael J. May and Sankar Ghosh. Inhibition of Nuclear Factor Kappa B (NF-B): An Emerging Theme in Anti-Inflammatory Therapies. MI. 2(1): 22-35, 2002.
    10. David L. Scott, Steven P. White, Zbyszek Otwinowski, Wei Yuan, Michael H. Gelb, and Paul B. Sigler. Interfacial Catalysis: The Mechanism of Phospholipase A2. Science. 1990 Dec 14; 250(4987): 1541–1546.
    11. Dinarello, C A. Proinflammatory cytokines. 118(2):503-08, 2000.
    12. Formulário Nacional Fitoterápico da Farmacopéia Brasileira, ANVISA, 1ª ed., 2011.
    13. Gharekhani A, Khatami MR, Dashti-Khavidaki S, Razeghi E, Noorbala AA, Hashemi-Nazari SS, Mansournia MA. The effect of omega-3 fatty acids on depressive symptoms and inflammatory markers in maintenance hemodialysis patients: a randomized, placebo-controlled clinical trial. Eur J Clin Pharmacol. 70(6): 655-65, 2014.
    14. Ghosh, S., May, M.J., and Kopp, E.B. NF-kappa B and Rel proteins: Evolutionarily conserved mediators of immune responses. Annu. Rev. Immunol. 16, 225–60, 1998.
    15. Golbabaei Sanaz, Roya Bazl, Sahand Golestanian, Farzaneh Nabati, Zinat Bahrampour Omrany, Behnam Yousefi, Reza Hajiaghaee, Shamsali Rezazadeh and Massoud Amanloucorresponding. Urease inhibitory activities of β-boswellic acid derivatives. 21(1): 2, 2013.
    16. Häfner AK, Gerstmeier J, Hörnig M, George S, Ball AK, Schröder M, Garscha U, Werz O, Steinhilber D. Characterization of the interaction of human 5-lipoxygenase with its activating protein FLAP. Biochim Biophys Acta. 1851(11): 1465-72, 2015.
    17. Illuri R, Bethapudi B, Anandakumar S, Murugan S, Joseph JA, Mundkinajeddu D, Agarwal A, Chandrasekaran CV. Anti-Inflammatory Activity of Polysaccharide Fraction of Curcuma longa Extract (NR-INF-02). Antiinflamm Antiallergy Agents Med Chem. 14(1): 53-62, 2015.
    18. Inwald D,E G Davies and N Klein. Demystified … Adhesion molecule deficiencies. Mol Pathol.54(1): 1–7, 2001.
    19. Jun Sun,Yi Zhao and Jinhong Hu. Curcumin Inhibits Imiquimod-Induced Psoriasis-Like Inflammation by Inhibiting IL-1beta and IL-6 Production in Mice. PLoS One. 8(6): e67078, 2013.
    20. Karin M, Ben-Neriah Y . Phosphorylation meets ubiquitination: the control of NF-[kappa]B activity. Annu Rev Immunol. 18: 621-63, 2000.
    21. Lorente-Cebrián S, Costa AG, Navas-Carretero S, Zabala M, Laiglesia LM, Martínez JA, Moreno-Aliaga MJ. An update on the role of omega-3 fatty acids on inflammatory and degenerative diseases. J Physiol Biochem. 71(2): 341-49, 2015.
    22. Madhu K., K. Chanda, M. J. Saji. Safety and efficacy of Curcuma longa extract in the treatment of painful knee osteoarthritis: a randomized placebo-controlled trial. Inflammopharmacology. 21(2): 129-36, 2013.
    23. Marcheselli VL, Hong S, Lukiw WJ, Hua Tian X, Gronert K. Novel docosanoids inhibit brain ischemia-reperfusion-mediated leukocyte infiltration and pro-inflammatory gene expression. J Biol Chem. 278: 43807-17, 2003.
    24. Miyata, Arita M. Role of omega-3 fatty acids and their metabolites in asthma and allergic diseases. Allergol Int. 64(1): 27-34, 2015.
    25. Moreillon JJ, Bowden RG, Deike E, Griggs J, Wilson R, Shelmadine B, Cooke M, Beaujean A. The use of an anti-inflammatory supplement in patients with chronic kidney disease. J Complement Integr Med. 1(10), 2013.
    26. Nahid Akhtar and Tariq M. Current nutraceuticals in the management of osteoarthritis: a review. Ther Adv Musculoskelet Dis. 4(3): 181–07, 2012.
    27. Neyrinck AM, Alligier M, Memvanga PB, Névraumont E, Larondelle Y, Préat V, Cani PD, Delzenne NM. Curcuma longa extract associated with white pepper lessens high fat diet-induced inflammation in subcutaneous adipose tissue. PLoS One. 8(11): e81252, 2013.
    28. Pascual Gabriel ,Amy L. Fong, Sumito Ogawa, Amir Gamliel, Andrew C. Li, Valentina Perissi, David W. Rose, Timothy Willson, Michael G. Rosenfeld and Christopher K. Glass. A sumoylation-dependent pathway mediating transrepression of inflammatory response genes by PPARγ. 437(7059): 759–63, 2006.
    29. Rådmark O, Werz O, Steinhilber D, Samuelsson B. 5-Lipoxygenase, a key enzyme for leukotriene biosynthesis in health and disease. Biochim Biophys Acta. 1851(4):331-39, 2015.
    30. Shameli Kamyar, Mansor Bin Ahmad, Ali Zamanian, Parvanh Sangpour, Parvaneh Shabanzadeh, Yadollah Abdollahi and Mohsen Zargar. Green biosynthesis of silver nanoparticles using Curcuma longa tuber poder. Int J Nanomedicine. 7: 5603–10, 2012.
    31. Sheng Y, Akesson C, Holmgren K, Bryngelsson C, Giamapa V, Pero RW. An active ingredient of Cat’s Claw water extracts identification and efficacy of quinic acid. J Ethnopharmacol. 96(3): 577-84, 2005.
    32. Siddiqui M. Z.. Boswellia Serrata, A Potential Antiinflammatory Agent: An Overview. Indian J Pharm Sci. 73(3): 255–61, 2011.
    33. Singh D, Boyce M, Norris V, Kent SE, Bentley JH.Inhibition of the early asthmatic response to inhaled allergen by the 5-lipoxygenase activating protein inhibitor GSK2190915: a dose-response study. Int J Gen Med. 6: 897-03, 2013.
    34. Soleimani, V., Sahebkar, A., & Hosseinzadeh, H. Turmeric (Curcuma longa) and its major constituent (curcumin) as nontoxic and safe substances: Review. Phytotherapy Research, 32(6): 985–95, 2018.
    35. Peterson, C. T., Vaughn, A. R., Sharma, V., Chopra, D., Mills, P. J., Peterson, S. N., & Sivamani, R. K. (). Effects of Turmeric and Curcumin Dietary Supplementation on Human Gut Microbiota: A Double-Blind, Randomized, Placebo-Controlled Pilot Study. Journal of evidence-based integrative medicine, 23, 2515690X18790725, 2018.
    36. Tian Y, Gawlak G, O’Donnell JJ 3rd, Mambetsariev I, Birukova AA.Modulation of Endothelial Inflammation by Low and High Magnitude Cyclic Stretch. PLoS One. 11(4): e0153387, 2016.
    37. Tripathi T and Alizadeh H. Significance of arachidonic acid in ocular infections and inflammation. Inflamm Cell Signal. 1(5): e301, 2014.
    38. Vamanu, E., Gatea, F., Sârbu, I., & Pelinescu, D. An In Vitro Study of the Influence of Curcuma longa Extracts on the Microbiota Modulation Process, In Patients with Hypertension. Pharmaceutics, 11(4), 191, 2019.

Compartilhe esse Artigo
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share