Cordia verbenacea - planta

No Brasil, Cordia verbenacea é uma planta medicinal conhecida como “erva-baleeira”.

A Cordia verbenacea possui propriedades anti-inflamatórias naturais. Diferentes espécies de plantas do gênero Cordia são usados ​​na medicina popular como agente anti-inflamatória em todas as regiões tropicais e subtropicais do mundo.

A Cordia verbenacea é distribuída ao longo da região costeira do Brasil e utilizada na medicina tradicional como antirreumático, anti-inflamatório e analgésico, com propriedades curativas de extrato alcoólico, decocção e infusão.

(AKISUE et al., 1983; FERNANDES et al., 2007; OLIVEIRA et al., 2011)Planta Cordia verbenacea

Estudos demonstraram que o extrato obtido da Cordia verbenacea exibe importantes propriedades anti-inflamatórias administrada tanto de forma oral quanto tópica.

(SERTIÉ et al., 2005; BASILE et al., 1989; OLIVEIRA et al., 1998; TICLE et al., 2005; FERNANDES et al., 2007)

O Formulário Nacional Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira descreve o uso tópico das folhas de Cordia verbenacea como anti-inflamatório em forma de infuso, como compressa ou em forma de pomada.

(Brasil, 2011)

Estudos também indicam que Cordia verbenacea contém substâncias anti-inflamatórias cuja efetividade e menores efeitos colaterais, colocam-na como uma alternativa segura e eficaz no tratamento tópico de inflamações. Em 2005 um laboratório lançou o primeiro anti-inflamatório fitoterápico, desenvolvido no Brasil, obtido a partir do óleo essencial desta planta.

(GONELI et al., 2014; GILBERT & FAVORETO, 2012)

Suas partes aéreas possuem vários componentes incluído taninos, flavonóides e óleos essenciais. O óleo essencial é composto principalmente por mono e sesquiterpenos e seus principais constituintes são α-pineno, trans-cariofileno, allo aromadendreno e também α-humuleno.

(DE CARVALHO et al., 2004; PASSOS et al., 2007)

Recentemente demonstrou-se pela primeira vez que o óleo essencial de Cordia verbenacea exibe marcadores anti-inflamatórios por via oral em roedores, o que provavelmente está relacionado a presença do sesquiterpenos α-humuleno e (−) (−) trans-cariofileno.

(PASSOS et al., 2007; GILBERT & FAVORETO, 2012)

Estrutura química

Estrutura química dos principais componentes do óleo essencial de Cordia verbenácea 

(GILBERT & FAVORETO, 2012)

Um estudo demonstrou que a administração oral de α -humuleno, impede edema induzido por LPS na pata de rato, impede também o aumento dos níveis de TNF- α e IL-1 β, assim como a regulação positiva do receptor de cinina B-1. Além disso, tanto α -humuleno quanto trans-cariofileno administrados por via oral a ratos são capazes de inibir o influxo de neutrófilos para o local da inflamação e da ativação de NF- κB.

(MEDEIROS et al.,2007)

A planta também contém um polifenol denominado ácido rosmarínico, que em estudos realizado em ratos, demonstrou possuir efeito inibitório na formação de edema e indução de miotoxinas derivadas de veneno de cobra, principalmente através da inibição da atividade da fosfolipase A2 (cPLA2), uma enzima fundamental na inflamação, responsável pela liberação do ácido araquidônico a partir dos fosfolípides membranares.

(DE CARVALHO et al., 2004; PASSOS et al., 2007; TICLI et al., 2005)Liberação de ácido araquidônico membranar

Liberação de ácido araquidônico membranar 

(TRIPATHI & ALIZADEH, 2014)

Indicação e benefícios

    • Redutor de edema;
    • Inibe a liberação de citocinas mediadoras da inflamação;
    • Ação analgésica;
    • Tratar desordens gástricas;
    • Propriedade antibacteriana;
    • Atividade anti-inflamatória;
    • Coadjuvante para tratamento da artrite reumatoide, gota;
    • Potencial anti-inflamatório em doenças alérgicas;
    • Tratar dores musculares.

Alguns estudos realizados com C. verbenacea

Estudo

Resultado

Referências

Estudo foi realizado para avaliar a resposta de pacientes com periodontite à C. verbenácea. Os animais foram divididos aleatoriamente em dois grupos: a) grupo não-tratado (NT) (n = 18), os animais receberam 1 mL de veículo; b) Grupo C. verbenácea (CV) (n = 18), os animais receberam 5 mg / kg de óleos essenciais a partir de isolados C. verbenacea. As terapias foram administradas topicamente 3 vezes por dia durante 11 dias. A perda óssea foi inibida por C. verbenácea quando comparado com o grupo NT (p <0,05). Uma redução nos níveis de IL-1α e aumento da IL-10 foi observada no grupo CV em relação ao grupo NT (p <0,05). O óleo essencial de C. verbenácea administrado topicamente diminuiu reabsorção óssea alveolar, promovendo um desequilíbrio local positiva no sistema pro / anti-inflamatória, reduzindo a frequência de detecção de P. gingivalis.

PIMENTEL et al., 2012

Considerando a importância da histamina em eventos precoces de inflamação e em doenças alérgicas, um estudo avaliou o efeito do extrato de folhas de C. verbenácea na libertação de histamina (estudos in vitro e in vivo) a partir de diferentes tipos de mastócitos, de várias espécies de roedores. Em cultura de células induzidas a produzir histamina foram administradas 30 ug / mL do extrato e os ratos também receberam oralmente 300mg/Kg de extrato seco. O extrato de C. verbenácea (30 ug / mL) reduziu a secreção in vitro de histamina a partir de mastócitos (33,3 ± 2,2%) de rato. Na mesma concentração, o extrato também inibiu a secreção de histamina a partir de mastócitos de hamster. O tratamento oral com o extrato (300 mg / kg), também inibiu a secreção de histamina induzida (36,3 ± 3,2%) em ratos.

OLIVEIRA et al., 2011.

Roedores com edema de pata foram separados em grupos. Um grupo recebeu por via oral α-humuleno ou (−) (−) trans-cariofileno (50 mg/kg,), o segundo grupo para ensaio exclusivo sobre neutrófilo recebeu 50–100 mg/kg destes compostos, os roedores do terceiro grupo foram tratados com salina (NaCl 0.9%, 10 ml/kg) como controle negativo, e por fim um grupo separado foi tratado com dexametasona (0.5 mg/kg,), usado como controle positivo.

O tratamento oral de ratos com α-humuleno ou (−) (−) trans-cariofileno (5-50 mg / kg) foi capaz de reduzir a formação de edema induzido, um efeito observado em 30, 60, 120 e 240 min após a administração do agente causador do edema Também foi capaz de proporcionar uma significativa redução permanente do edema de pata, com um efeito similar ao da dexametasona.

O α – humuleno foi capaz de reduzir, de forma significativa o edema da pata do rato, induzido por histamina.

O tratamento sistêmico por via oral de α-humuleno causou uma redução significativa de IL – 1β (35 ± 10 %) e TNF – α (54 ± 7 %).

Finalmente, o tratamento sistêmico com ambos ativos inibiu a expressão de COX – 2. Do mesmo modo, o aumento da expressão de iNOS também foi significativamente inibida.

FERNANDES et al.,2007

Referências

Na escrita do post fizemos o uso de algumas referencias de literaturas que se encontram neste Referências post

Gostou desse artigo? Compartilhe nas suas redes sociais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp