fbpx
dapagliflozina cp

Além do controle glicêmico, dapagliflozina contribui para perda de peso, redução da hipertensão e albuminúria, promovendo saúde e bem estar, especialmente na síndrome metabólica

De acordo com a organização mundial de saúde (WHO) 422 milhões de adultos são portadores de diabetes. Decerto o controle do diabetes tipo 2 com dapagliflozina tem se mostrado, segura e eficaz no controle glicêmico. 

Ademais o diabetes é uma desordem metabólica crônica que ocorre no organismo e o mesmo possui variados fatores (intrínsecos e extrínsecos) para o seu aparecimento.

As complicações do diabetes são crescentes 

Inegavelmente os números de indivíduos acometidos por diabetes são crescentes anualmente, bem como o número de mortes precoces ou por complicações e síndrome metabólica, principalmente ligado ao diabetes tipo 2.

Decerto já é conhecido que altos níveis de glicemia induz complicações e desse modo torna-se fator contribuinte para diversas desordens metabólicas acarretando diversas desordens aos diversos sistemas do organismo.

(Liakos et al., 2015)

Sistemas afetados pela falta de controle  do diabetes tipo 2

  • Complicações cardiovasculares
  • Disfunção renal
  • Obesidade
  • Amputação de membros
  • Retinopatia diabética (cegueira)
(WHO, 2020; Liakos et al., 2015)

Doença cardiovascular (DCV)

Todavia indivíduos acometidos poro diabetes melitus tipo 2 apresentam elevada predisposição para desenvolvimento não apenas de doenças cardiovasculares (DCV), mas também disfunção renal.

Primordialmente, entre os principais fatores de risco para a DCV estão, hiperglicemia, índices lipídicos elevados, hipertensão e albuminúria.

Com efeito, o controle destes fatores citados anteriormente possui grande impacto na redução das complicações ligadas ao diabetes.

(Heerspink et al., 2016)

Controle glicêmico

Inegavelmente, estudos tem sido realizados em busca de novas opções terapêuticas a fim de atuar no controle glicêmico assim como também nas desordens metabólicas ligadas ao diabetes. 

Benefícios terapêuticos da dapagliflozina

De acordo com estudos a dapagliflozina tem sido apontada como efetiva, segura e bem tolerada nas diferentes doses para tratamento do diabetes mellitus tipo 2 e na redução de HbA1c.

Do mesmo modo estudos apontam também boa tolerabilidade e efetividade da dapagliflozina podendo a mesma ser associada a outras terapias.

Ademais a dapagliflozina pode ainda ser associada a outras classes de hipoglicemiantes tendo por finalidade otimizar o controle glicêmico bem como reduzir danos induzidos pelo diabetes. 

(Feng et al., 2019; Dekkers et al., 2018)

Dapagliflozina atua além do controle glicêmico 

Está entre as terapias mais recentes aprovadas para o tratamento e controle do diabetes mellitus tipo 2 (DM2).

Além do controle glicêmico, consegue também contribuir para a perda de peso, bem como na redução da hipertensão arterial e do risco cardiovascular.

Foi apontado também que o uso de dapaglifllozina não são recomendadas para pacientes portadores de disfunções renais, mas consegue favoravelmente influenciar em marcadores de risco cardiovascular (pressão arterial e albuminúria).

(Dekkers et al., 2018; Fioretto et al., 2015; Feng et al., 2019; Heerspink et al., 2016)

Atuação da dapagliflozina no controle do diabetes tipo 2

Com o fim de reduzir a reabsorção de glicose pelo túbulo proximal por meio da inibição da atividade do cotransportador sódio-glicose 2 (SGLT2), dapagliflozina consegue reduzir índices glicêmicos. 

Entretanto, SGLT2 é responsável pela captação de glicose pelo rim, reduzindo assim as concentrações de glicose por meio da eliminação do excesso de glicose através da urina, e desse modo diminui a glicemia.

(Feng et al., 2019; Dekkers et al., 2018; Müller-Wieland et al., 2018; Sun et al., 2014; Fioretto et al., 2015; Liakos et al., 2015)

Fig.1- Mecanismo de atuação da dapagliflozina no controle glicêmico

Modelo de mecanismo da dapagliflozina

(Paisley et al., 2013)

Indicação e benefícios

  • Reduz hiperglicemia em pacientes com diabetes mellitus tipo 2
  • Controle glicêmico
  • Com efeito atua como protetor renal
  • Induz perda de peso
  • Diminui significativamente a excreção de albuminúria
  • Pode reduzir pressão arterial
(Dekkers et al., 2018; Heerspink et al., 2016; Müller-Wieland et al., 2018; Sun et al., 2014; Liakos et al., 2015)

Possíveis reações adversas

(Dhillon, 2019; Liakos et al., 2015; )

Gostou desse artigo? Compartilhe nas suas redes sociais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google