Analgesia com cetamina - homem com dor na perna

Alto potencial analgésico no tratamento da dor aguda e crônica

Analgesia com cetamina

A analgesia com cetamina auxilia no tratamento da dor e induzir uma resposta de alívio da dor, melhorando a qualidade de vida dos pacientes afetados pela dor. A dor é uma condição clínica que causa desconforto, incômodo, podendo levar também a mal estar com enjoos, náuseas e vômitos em alguns casos e desse modo pode levar a estado de cansaço e fraqueza até mesmo de modo acentuado.

(Raffaeli; Arnaudo, 2017; Bell; Kalso, 2018)

A dor pode ser de diferentes desordens

A origem da dor pode ser diversificada, pós operatório, trauma, patológica (câncer, reumatismo, dor neuropática, fibromialgia) pode afetar negativamente a qualidade de vida e até mesmo promovendo incapacidade para suas funções.

A Cetamina foi originada a partir de outros anestésicos. É um antagonista não competitivo dos receptores N-metil D-Aspartato (NMDA), que atuam impedindo a ligação de fenciclidina ao sítio do receptor de NMDA, o que por sua vez inibi a despolarização do neurônio, impedindo a progressão e aliviando a dor.

(Jonkman et al., 2017; Raffaeli; Arnaudo, 2017)

Principais benefícios do uso da cetamina na analgesia

da O uso da cetamina é considerado relevante no tratamento da dor aguda, tendo significativos resultados na redução da dor de moderada a severa e até da dor crônica. Outro benefício do uso da cetamina é a diminuição do uso de opioides, sendo estes associados a dependência, além de acentuado efeito sobre o sistema nervoso central apesar da sua resposta analgésica.

Os efeitos da cetamina estendem-se a alto potencial na redução da dor de diferentes etiologias, uma vez que consegue modular diferentes receptores, principalmente os receptores de NMDA.

(Jonkman et al., 2017; Bell; Kalso, 2018)

Diferenciais da cetamina

A cetamina não possui efeitos psicomiméticos, como náuseas e vômito, além disso, ainda consegue promover considerável efeito analgésico, primordialmente nas 2 horas pós cirurgia.

Efeito analgésico significativo da cetamina de uso tópico pode ser observado na tonsilectomia. A cetamina atua como tanto sozinho quanto como coadjuvante na analgesia.

(Jonkman et al., 2017; Vadivelu et al., 2016)

Efeito analgésico prolongado, uso transdérmico e intranasal

Indicação e benefícios da cetamina

A cetamina tem alto potencial analgésico e propriedade anestésica do tipo dissociativo entre suas atividade estão

  • Efeitos sedativos
  • Atividade anti-inflamatória modulando a liberação de moléculas pro inflamatórias
  • Analgésicos
  • Ação amnésica rápida
  • Prevenção de dor pós operatória

Entre seus efeitos secundários estão broncodilatação e manutenção dos reflexos das vias aéreas e do tônus do sistema nervoso simpático.

(Jonkman et al., 2017; Raffaeli; Arnaudo, 2017; Bell; Kalso, 2018)

Atividade da cetamina na analgesia

Apesar de todos os seus efeitos, ressalta-se seu potencial em baixas doses para causar analgesia com alívio prologado da dor aguda e crônica, sendo utilizado na terapia adjuvante para exercer ação anestésica de nervos locais. Atua também no tratamento de doença reativa das vias aéreas e auxilia na indução de sedação em centros cirúrgicos, serviços de emergência e unidades de cuidados críticos.

O uso de cetamina para alívio prolongado da dor crônica e aguda com efeito analgésico em paciente peri e pós operatório com resultados benéficos especialmente, após cirurgia. Sua eficácia pode ser significativa devido ao potencial analgésico estendido e desse modo consegue promover,  redução do uso de opióides principalmente em pacientes em recuperação do pós operatório.

(Jonkman et al., 2017; Bell; Kalso, 2018 )

Potencial efeito da cetamina na analgesia

Em baixas doses pode ser feito uso de cetamina para provocar efeitos de analgesia e para manejo da dor em diversas queixas como dor abdominal, fraturas e outros distúrbios do organismo que podem levar a dores intensas, aliviando os desconfortos incômodos da dor e promovendo o bem estar e maior conforto do indivíduo.

(Bell; Kalso, 2018; Allen; Ivester, 2017; Vadivelu et al., 2016)

Você precisa estar logado para ver este conteúdo. Após análise do cadastro, a Farmácia Artesanal se reserva no direito de não autorizar o acesso ao conteúdo técnico. Conforme a RDC23/2008, art. 36 – Para a divulgação de informações sobre medicamentos manipulados é facultado às farmácias o direito de fornecer, exclusivamente, aos profissionais habilitados a prescrever.

Referências

Na escrita do post fizemos o uso de algumas referências de literaturas que se encontram neste link Referências post.

Gostou desse artigo? Compartilhe nas suas redes sociais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp