Eficaz ação hipoglicemiante da banana leaf - folha de banana

Extrato de Banaba Leaf

O extrato de Banaba (Lagerstroemia speciosa L) tem sido usado por muitos anos pela medicina popular para tratar a diabetes, com seu primeiro estudo publicado em 1940. O efeito hipoglicemiante do Banaba Leaf tem sido atribuído tanto pela presença de ácido corosólico (AC) em sua composição, bem como pelos elagitaninos.

O ácido corosólico tem mostrado reduzir os níveis glicêmicos no sangue em 60 minutos, em estudos realizados com humanos

Além de exibir atividade antihiperlipidêmica, antioxidante, anti-inflamatória, antifúngica, antiviral, antineoplásica e osteoblástica (STOHS et al., 2012). Os efeitos benéficos da Banaba e ácido corosólico envolvem melhora da receptação de glicose celular, prejudica a hidrólise da sacarose e amido, diminui a gliconeogênese, e regula o metabolismo lipídico (MIURA et al., 2012).

Atividade hipoglicemiante da Banaba Leaf

A atividade hipoglicemiante induzida pelo extrato possui um perfil de atividade-concentração similar ao da insulina, sugerindo que sua atividade é desencadeada por mecanismos como da insulina. Além disso, foi demonstrado que o extrato de Banaba inibe a diferenciação dos adipócitos. Pré-adipócitos 3T3-L1 tratados com metilisobutilxantina, dexametasona, e insulina (MDI) e Banaba não se diferenciaram em adipócitos como fazem normalmente sob a exclusiva influência do MDI.

Este resultado indicou que a banaba inibe a atividade de diferenciação de adipócitos induzida por MDI. Assim, BE difere da insulina na medida em que é anti-adipogênica enquanto a insulina é adipogênica, que é considerada como sendo um efeito secundário negativo de insulina (LIU et al., 2001).

Foi avaliado o efeito do ácido corosólico nos níveis de glicose no sangue e a hidrólise de dissacarídeos no intestino delgado em ratos. O AC (10mg/Kg peso corporal) melhorou a hiperglicemia após uma administração oral de sacarose, e reduziu significativamente a hidrólise de sacarose no intestino delgado. Estes resultados sugerem que a atividade hipoglicemiante do AC é derivada, pelo menos em parte, devido a inibição da hidrólise da sacarose (TAKAGI et al., 2008).

Outro ativo investigou o efeito do AC na gliconeogênese em fígado de rato. O AC diminui de maneira dose dependente a diminuição da gliconeogênese no fígado e hepatócitos isolados. A frutose-2,6-bifosfato (F-2,6-BP), um intermediário da gliconeogênese, desempenha um papel fundamental na produção de glicose hepática através da regulação da gliconeogênese e da glicólise no fígado.

O AC aumentou a produção de F-2,6-BP, juntamente com uma diminuição nos níveis intracelulares de cAMP, tanto na presença e na ausência de forscolina em hepatócitos isolados. Embora uma proteína quinase dependente de AMPc (PKA) inibida a gliconeogênese hepática, a droga não intensifica o efeito inibidor do AC na gliconeogênese em hepatócitos isolados.

Estes resultados indicam que o AC inibe a gliconeogênese pelo aumento da produção de F-2,6-BP, baixando o nível de cAMP e inibindo a atividade de PKA em hepatócitos isolados. Além disso, um aumento da atividade da glucoquinase em hepatócitos isolados tratados com AC, não afetou a atividade da glicose-6-fosfatase, o que sugere a promoção da glicólise. Esses efeitos sobre o metabolismo da glicose hepática pode ser a base das várias ações anti-diabéticas do AC (YAMADA et al., 2008).

Estudo

Um estudo aberto, conduzido por Ikeda e colaboradores (2002), por 1 ano, avaliou a segurança e eficácia de 100mg de Banaba diário. Houve uma diminuição significativa (16,6%) dos níveis de glicose no sangue em jejum, que foi observada nos indivíduos com níveis de glicose no sangue em jejum superior a 110mg/dL.

Após 6 meses e 1 ano, uma melhora significativa foi observada com melhora na tolerância a glicose e hemoglobina glicada. O extrato de Banaba não causou hipoglicemia. Nenhuma mudança nas características histológicas e bioquímicas, e efeitos adversos foram observados, no curso de 1 ano de tratamento.


Você precisa estar logado para ver este conteúdo.
Após análise do cadastro, a Farmácia Artesanal se reserva no direito de não autorizar o acesso ao conteúdo técnico.
Conforme a RDC23/2008, art. 36 – Para a divulgação de informações sobre medicamentos manipulados é facultado às farmácias o direito de fornecer, exclusivamente, aos profissionais habilitados a prescrever.

Referências

Na escrita do post fizemos o uso de algumas referências de literaturas que se encontram neste link Referências post.

Gostou desse artigo? Compartilhe nas suas redes sociais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp